10.2 - Integral de Itô

Você está aqui

Seja $ B_t(\omega) $ um movimento Browniano. A Integral de Itô será definida de forma a generalizar a ideia da Integral de Wiener. Neste sentido, estudaremos integrais do tipo

\[\int_a^bf(t,\omega)dB_t(\omega)\]

em que $ f(t,\omega) $ é um processo estocástico adaptado à filtragem $ \mathcal{F}_t = \sigma\left(B_s; \ s\leq t\right) $ e

\[\int_a^b\mathbb{E}\left(|f(t)|^2\right)dt \ \textless \ \infty.\]

É claro que, como a integral será uma generalização da Integral de Wiener, quando o integrando é uma função determinística $ f(t) $, a integral de Itô $ \int_a^bf(t)dB_t(\omega) $ é reduzida para a integral de Wiener.

Inicialmente, a teoria de integração estocástica foi motivada como um método direto para a construção de processos de difusão como soluções de equações diferenciais estocásticas. Ela também pode ser vista como motivação para martingales. Seja $ B_t $ um movimento Browniano. Suponha que $ f(t) $ seja uma função determinística definida em $ L^2([a,b]) $. Então, como vimos no Teorema 10.1.3 o processo

\[M_t = \int_a^tf(s)dB_s, \quad a\leq t\leq b\]

é um martingale. De forma análoga, queremos definir a integral estocástica

\[\int_a^bf(t,\omega)dB_t(\omega)\]

de forma que

\[M_t = \int_a^tf(s,\omega)dB_s(\omega) \quad a\leq t\leq b\]

seja um martingale.

Exemplo 10.2.1:

Antes que possamos definir a integral de Itô, consideramos um exemplo simples com $ f(t,\omega) = B_t(\omega) $, de forma que a integral estocástica é dada por

\[\int_a^bB_tdB_t.\]

Considerando subintervalos $ [t_{i-1},t_i] $ e avaliarmos $ B_t $ nos extremos da partição, temos que

= \sum_{i=1}^nB_{t_{i-1}}\left(B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\right) \qquad \text{avaliação no ponto inferior da partição}.\]

e

= \sum_{i=1}^nB_{t_{i}}\left(B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\right) \qquad \text{avaliação no ponto superior da partição}.\]

Então, segue que

\[R_n-L_n = \sum_{i=1}\left(B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\right)^2\]

e, se $ \lim_{n\rightarrow\infty}(R_n-L^n) $ existe, ele é a variação quadrática do movimento Browniano $ B_t $.

Teorema 10.2.1:

Seja = \{a = t_0 \ \textless \ t_1 \ \textless \ \ldots \ \textless \ t_{n-1} \ \textless \ t_n = b\} $ uma partição do intervalo finito $ [a,b] $. Então, temos que

\[\sum_{i=1}^n\left(B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\right)^2 \rightarrow b-a\]

em $ L^2(\Omega) $ quando $ \|\mathcal{P}_n\| = \max_{1\leq i\leq n}(t_i-t_{i-1}) \rightarrow 0 $.

Demonstração: De fato, observamos que

\[b-a = \sum_{i=1}^n(t_i-t_{i-1})\]

e, então, tomando

\[\phi_n = \sum_{i=1}^n\left[\left(B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\right)^2 - \left(t_i-t_{i-1}\right)\right] = \sum_{i=1}^nX_i\]

em que $ X_i = \left(B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\right)^2-\left(t_i-t_{i-1}\right) $. Desta forma, segue que

\[\phi_n^2 = \sum_{i,j=1}^nX_iX_j. \qquad (\star)\]

Para $ i\neq j $, temos que $ \mathbb{E}\left[X_iX_j\right] = 0 $, já que $ B_t $ tem incrementos independentes e $ \mathbb{E}\left[\left(B_t-B_s\right)^2\right] = |t-s| $.  Reciprocamente, temos que $ \mathbb{E}\left[\left(B_t-B_s\right)^4\right] = 3(t-s)^2 $ e, então, para $ i = j $, temos que

\[\mathbb{E}\left[X_i^2\right] = \mathbb{E}\left[\left(B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\right)^4 - 2(t_i-t_{i-1})\left(B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\right)^2 + (t_i-t_{i-1})^2\right] = 2(t_i-t_{i-1})^2.\]

Portanto, da equação $ (\star) $, temos que

\[\mathbb{E}\left[\phi_n^2\right] = \sum_{i=1}^n2(t_i-t_{i-1})^2\leq 2\|\mathcal{P}_n\|\sum_{i=1}^n(t_i-t_{i-1}) = 2(b-a)\|\mathcal{P}_n\|\rightarrow 0 \ \text{quando} \ \|\mathcal{P}_n\|\rightarrow0\]

o que mostra que $ \phi_n $ converge para zero em $ L^2(\Omega) $. Então, $ \sum_{i=1}^n\left(B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\right)^2 $ converge para $ b-a $ em $ L^2(\Omega) $ quando $ \|\mathcal{P}_n\|\rightarrow 0 $.

$ \square $

Portanto, aplicando o Teorema 10.2.1, concluímos que

\[\lim_{\|\mathcal{P}_n\|\rightarrow 0}R_n-L_n = b-a \ \text{em} \ L^2(\Omega)\]

e $ \lim_{\|\mathcal{P}_n\|\rightarrow 0}R_n\neq \lim_{\|\mathcal{P}_n\|\rightarrow 0}L_n $.  Mas o que são esses limites? Observamos que

\[R_n + L_n = \sum_{i=1}^n\left(B_{t_i}+B_{t_{i-1}}\right)\left(B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\right) = \sum_{i=1}^n\left(B^2_{t_i}-B^2_{t_{i-1}}\right) = B^2_b-B^2_a\]

de forma que

\[R_n = \frac{1}{2}\left(B^2_b-B^2_a+\sum_{i=1}^n\left(B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\right)2\right)\]

e

\[L_n = \frac{1}{2}\left(B^2_b-B^2_a-\sum_{i=1}^n\left(B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\right)2\right)\]

e, utilizando o Teorema 10.2.1, temos que

\[\lim_{\|\mathcal{P}_n\|\rightarrow 0}R_n = \frac{1}{2}\left(B^2_b-B^2_a + (b-a)\right) \qquad (1)\]

e

\[\lim_{\|\mathcal{P}_n\|\rightarrow 0}L_n = \frac{1}{2}\left(B^2_b-B^2_a - (b-a)\right) \qquad (2)\]

A partir dos limites acima, qual dentre as equações (1) e (2) deve ser escolhida para ser a integral $ \int_a^bB_tdB_t $? Ou seja, qual ponto extremo do subintervalo $ [t_{i-1},t_i] $ deve ser escolhido para calcular o integrando? A fim de responder esta questão, tomamos $ a = 0 $ e $ b = t $ nas equações (1) e (2) para definir os processos estocásticos

\[R_t= \frac{1}{2}\left(B^2_t + t\right) \qquad \text{e} \qquad L_t = \frac{1}{2}\left(B^2_t - t\right).\]

Desta forma, temos que

\[\mathbb{E}\left[R_t\right] = \mathbb{E}\left[\frac{1}{2}\left(B^2_t + t\right)\right] = \frac{1}{2}\left(\mathbb{E}\left[B^2_t\right] + t\right) = t\]

e, portanto, $ R_t $ não é um martingale, já que $ \mathbb{E}\left[M_t\right] $ deve ser contante para qualquer martingale $ M_t $. Em contrapartida, $ L_t $ é um martingale. De fato, seja $ \mathcal{F}_t = \sigma\left\{B_s; \ s\leq t\} $. Então, para qualquer $ s\leq t $,

\[\mathbb{E}\left[L_t\Big|\mathcal{F}_s\right] = \frac{1}{2}\mathbb{E}\left[B^2_t\Big|\mathcal{F}_s\right] - \frac{1}{2}t = \frac{1}{2}\left(\mathbb{E}\left[B^2_t - B^2_s\Big|\mathcal{F}_s\right] +\mathbb{E}\left[B^2_s\right]\right) - \frac{1}{2}t\]

de onde concluímos que

\[\mathbb{E}\left[L_t\Big|\mathcal{F}_s\right] = \frac{1}{2}\left(t-s+B^2_s\right) - \frac{1}{2}t = \frac{1}{2}\left(B^2_s-s\right) = L_s \ \text{para todo} \ s\leq t\]

Portanto, se desejamos a propriedade martingale para a integral estocástica $ \int_a^tf(s)dB_s $, devemos tomar o ponto extremo à esquerda de cada subintervalo como ponto de avaliação de $ f $.

Exemplo 10.2.2:

Considere a integral

\[X_t = \int_0^tB_1dB_s; \ 0\leq t\leq 1.\]

Intuitivamente, é de se pesperar que $ X_t = B_1B_t $. Entretanto, o processo estocástico $ X_t $ não é um martingale, uma vez que $ \mathbb{E}\left[X_t\right] = \mathbb{E}\left[B_1B_t\right] = \min\{1,t\} = t $ que não é constante. Desta forma, a integral $ \int_0^1B_1dB_s $ não pode ser calculada desta forma se queremos obter um processo martingale. A razão para esta integral simples não estar definida (quando queremos obter martingales) é devido ao fato de que o integrando $ B_1 $ não é adaptado à filtragem $ \sigma\{B_s; \ s\leq t\} $ com $ 0\leq t\leq 1 $. Portanto, uma importante exigêngia para o integrando, se queremos a propriedade martingale para integral estocástica $ \int_a^tf(s)dB_s $ é que o integrando seja adapatado à filtragem $ \{\mathcal{F}_t\} $. Em geral, permitiremos que $ \{\mathcal{F}_t\} $ seja uma filtragem um pouco maior do que a gerada pelo movimento Browniano, isto é, $ \sigma\{B_s; \ s\leq t\} \subset \mathcal{F}_t $ para todo $ t $.

Observação 10.2.1:

Do discutido acima, é importante observar que, para que a integral estocástica tenha a propriedade martingale, então devemos tomar a integral ''inferior'' em cada subintervalo. É importante destacar que, nas integrais dexo Riemann (ou Riemann-Stieltjes) o ponto do subintervalo a ser tomado é irrelevante, pois o limite é o mesmo independente do ponto escolhido. Entretanto, na integral estocástica, como pudemos ver, isto não é possível, já que cada ponto nos fornece um limite diferente e a escolha do ponto depende das propriedades que desejamos que a integral possua. Como o foco é a propriedade martingale da integral estocástica, sua definição dependerá da escolha do ponto inferior.

Definição da Integral de Itô

A fim de definir a integral de Itô, consideramos $ B_t $ um movimento Browniano fixo e uma filtragem $ \{\mathcal{F}_t; \ a\leq t\leq b\} $ que satisfaz as seguintes condições:

  1. Para cada $ t $, $ B_t $ é $ \mathcal{F}_t $-mensurável;
  2. Para qualquer $ s\leq t $, a variável aleatória $ B_t-B_s $ é independente da $ \sigma $-álgebra $ \mathcal{F}_s $.

Notação 10.2.1:

Utilizaremos a notação $ L^2_{\text{ad}}([a,b]\times\Omega) $ para o espaço de todos os processos estocásticos $ f(t,\omega) $, com $ a\leq t\leq b $ e $ \omega\in\Omega $ que satisfazem as seguintes condições:

  1. $ f(t,\omega) $ é adapatado à filtragem $ \{\mathcal{F}_t\} $.
  2. $ \int_a^b\mathbb{E}\left[\left|f(t)\right|^2\right]dt \ \textless \ \infty $.

Inicialmente, para definir a integral de Itô, cosideramos os processos estocásticos $ f\in L^2_{\text{ad}}([a,b]\times\Omega) $ do tipo simples, ou seja, suponha que $ f $ seja dado por

\[f(t,\omega) = \sum_{i=1}^n\xi_{i-1}(\omega)\mathds{1}_{[t_{i-1},t_i]}(t)\]

em que $ \xi_{i-1} $ é $ \mathcal{F}_{t_{i-1}} $-mensurável e $ \mathbb{E}\left[\xi^2_{i-1}\right] \ \textless \ \infty $. Neste caso, definimos a integral $ I(f) $ por

= \sum_{i=1}^n\xi_{i-1}\left(B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\right).\]

É imediato que, neste caso, a integral é linear, ou seja, $ I(\alpha f+\beta g) = \alpha I(f) + \beta I(g) $ para quaisquer $ \alpha,\beta\in\mathbb{R} $ e funções simples $ f $ e $ g $.

Lema 10.2.1:

Seja $ f $ um processo estocástico simples em $ L^2_{\text{ad}}([a,b]\times\Omega) $ e a integral de Itô definida da forma acima. Então $ \mathbb{E}\left[I(f)\right] = 0 $ e

\[\mathbb{E}\left[\left|I(f)\right|^2\right] = \int_a^b\mathbb{E}\left[\left|f(t)\right|^2\right]dt\]

Demonstração: De fato, para cada $ 1\leq i\leq n $, temos que

\[\mathbb{E}\left[\xi_{i-1}\left(B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\right)\right]=\mathbb{E}\left[\mathbb{E}\left[\xi_{i-1}\left(B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\right)\Big|\mathcal{F}_{t_{i-1}}\right]\right] = \mathbb{E}\left[\xi_{i-1}\mathbb{E}\left[B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\Big|\mathcal{F}_{t_{i-1}}\right]\right] = \mathbb{E}\left[\xi_{i-1}\mathbb{E}\left[B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\right]\right] = 0\]

de onde segue que $ \mathbb{E}\left[I(f)\right] = 0 $. Além disso, temos que

\[I^2(f) = \sum_{i,j=1}^n\xi_{i-1}\xi_{j-1}\left(B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\right)\left(B_{t_j}-B_{t_{j-1}}\right).\]

Observamos que, para $ i\neq j $, digamos $ i \ \textless \ j $,

\[\mathbb{E}\left[\xi_{i-1}\xi_{j-1}\left(B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\right)\left(B_{t_j}-B_{t_{j-1}}\right)\right] = \mathbb{E}\left[\mathbb{E}\left[\xi_{i-1}\xi_{j-1}\left(B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\right)\left(B_{t_j}-B_{t_{j-1}}\right)\Big|\mathcal{F}_{t_{j-1}}\right]\right]\]

e, portanto,

\[\mathbb{E}\left[\xi_{i-1}\xi_{j-1}\left(B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\right)\left(B_{t_j}-B_{t_{j-1}}\right)\right]=\mathbb{E}\left[\xi_{i-1}\xi_{j-1}\left(B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\right)\mathbb{E}\left[B_{t_j}-B_{t_{j-1}}\right]\right] = 0.\]

Em contrapartida, se $ i = j $, então

\[\mathbb{E}\left[\xi^2_{i-1}\left(B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\right)^2\right] = \mathbb{E}\left[\mathbb{E}\left[\xi^2_{i-1}\left(B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\right)^2\Big|\mathcal{F}_{t_{i-1}}\right]\right] = \mathbb{E}\left[\xi^2_{i-1}\mathbb{E}\left[\left(B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\right)^2\Big|\mathcal{F}_{t_{i-1}}\right]\right] = \mathbb{E}\left[\xi^2_{i-1}(t_i-t_{i-1})\right] = (t_i-t_{i-1})\mathbb{E}\left[\xi^2_{i-1}\right].\]

Das equações acima, temos que

\[\mathbb{E}\left[\left|I(f)\right|^2\right] = \sum_{i=1}^n(t_i-t_{i-1})\mathbb{E}\left[\xi^2_{i-1}\right] = \int_a^b\mathbb{E}\left[\left|f(t)\right|^2\right]dt.\]

como queríamos demonstrar.

$ \square $

Por fim, usando o teorema a seguir podemos estender a definição da integral de Itô para qualquer processo $ f\in L^2_{\text{ad}}([a,b]\times\Omega) $. Para isso, basta mostramos que existe uma sequência de processos simples que converge para $ f $.

Teorema 10.2.2:

Suponha que $ f\in L^2_{\text{ad}}([a,b]\times\Omega) $. Então existe uma sequência $ \{f_n(t); \ n\geq 1\} $ de processos estocásticos simples em $ L^2_{\text{ad}}([a,b]\times\Omega) $ tal que

\[\lim_{n\rightarrow\infty}\int_a^b\mathbb{E}\left[\left|f(t)-f_n(t)\right|^2\right]dt = 0.\]

Demonstração: A demonstração será dividida em casos especiais e o caso geral.

Caso1: Suponha que $ \mathbb{E}\left[f(t)f(s)\right] $ é uma função contínua de $ (t,s) $ em $ [a,b]\times[a,b] $.

Neste caso, seja  a = t_0 \ \textless \ t_1 \ \textless \ \ldots \ \textless \ t_{n-1} \ \textless \ t_n $ uma partição de $ [a,b] $ e defina o processo estocástico $ f_n(t,\omega) $ da forma

\[f_n(t) = f(t_{i-1}) \ \text{para} \ t_{i-1} \ \textless \ t \leq t_i.\]

Desta forma, $ \{f_n(t,\omega)\}_n $ é uma sequência de processos estocásticos simples adaptados. Pela continuidade de $ \mathbb{E}\left[f(t)f(s)\right] $ em $ [a,b]\times[a,b] $, temos que

\[\lim_{s\rightarrow t}\mathbb{E}\left[\left|f(t)-f(s)\right|^2\right] = 0\]

o que implica que, para cada $ t\in[a,b] $,

\[\lim_{n\rightarrow\infty}\mathbb{E}\left[\left|f(t)-f_n(t)\right|^2\right] = 0.\]

Além disso, utilizando a desigualdade

\[|\alpha-\beta|^2\leq 2\left(|\alpha|^2+|\beta|^2\right)\]

segue que

\[\left|f(t)-f_n(t)\right|^2\leq 2\left(\left|f(t)\right|^2+\left|f_n(t)\right|^2\right).\]

Então, para todo $ a\leq t\leq b $, temos que

\[\mathbb{E}\left[\left|f(t)-f_n(t)\right|^2\right] \leq 2\left(\mathbb{E}\left[\left|f(t)\right|^2\right] + \mathbb{E}\left[\left|f_n(t)\right|^2\right]\right) \leq 4\sup_{a\leq s\leq b}\mathbb{E}\left[\left|f(s)\right|^2\right].\]

Portanto, aplicando o teorema da convergência dominada, concluímos que

\[\lim_{n\rightarrow\infty}\int_a^b\mathbb{E}\left[\left|f(t)-f_n(t)\right|^2\right]dt = 0.\]

Caso 2: $ f $ é limitada.

Neste caso, definimos um processo estocástico $ g_n $ dado por

\[g_n(t,\omega) = \int_0^{n(t-a)}e^{-\tau}f(t-n^{-1}\tau,\omega)d\tau.\]

Observamos que $ g_n $ é adaptado a $ \mathcal{F}_{\tau} $ e $ \int_a^b\mathbb{E}\left[\left|g_n(t)\right|^2\right]dt \ \textless \ \infty $.

Afirmação (a): para cada $ n $, $ \mathbb{E}\left[g_n(t)g_n(s)\right] $ é uma função contínua de $ (t,s) $.

A fim de demonstrar esta afirmação, seja $ u = t - n^{-1}\tau $ de forma que podemos reescrever $ g_n(t,\omega) $ como

\[g_n(t) = \int_a^bne^{-n(t-u)}f(u)du,\]

que podemos utilizar para verificar que

\[\lim_{t\rightarrow s}\mathbb{E}\left[\left|g_n(t)-g_n(s)\right|^2\right] = 0,\]

demonstrando a afirmação.

Afirmação (b): $ \int_a^b\mathbb{E}\left[\left|f(t)-g_n(t)\right|^2\right]dt \rightarrow 0 $ quando $ n\rightarrow \infty $.

Para verificar esta afirmação, basta notar que

\[f(t) - g_n(t) = \int_0^{\infty}e^{-\tau}\left(f(t) - f(t-n^{-1}\tau)\right)d\tau,\]

em que $ f(t) $ é uma função não zero para $ t \ \textless \ a $. Como $ e^{-\tau}d\tau $ é uma medida de probabilidade em $ [0,\infty) $, podemos aplicar a desigualdade de Schwarz e então, segue que

\[\left|f(t)-g_n(t)\right|^2\leq \int_0^{\infty}\left|f(t)-f(t-n^{-1}\tau)\right|^2e^{\tau}d\tau.\]

Portanto,

\[\int_a^b\mathbb{E}\left[\left|f(t)-g_n(t)\right|^2\right]dt \leq \int_a^b\int_0^{\infty}e^{\tau}\mathbb{E}\left[\left|f(t)-f(t-n^{-1}\tau)\right|^2\right]d\tau dt = \int_0^{\infty}e^{-\tau}\left(\int_a^b\mathbb{E}\left[\left|f(t)-f(t-n^{-1}\tau)\right|^2\right]dt\right)d\tau\]

de forma que

\[\int_a^b\mathbb{E}\left[\left|f(t)-g_n(t)\right|^2\right]dt\leq \int_0^{\infty}e^{\tau}\mathbb{E}\left(\int_a^b\left|f(t)-f(t-n^{-1}\tau)\right|^2dt\right)d\tau.\]

Como, por hipótese, $ f $ é limitada, temos que

\[\int_a^b\left|f(t,\cdot)-f(t-n^{-1}\tau,\cdot)\right|^2dt\rightarrow 0 \ \text{q.c}\]

quando $ n\rightarrow\infty $. Portanto, concluímos a afirmação.

A partir da afirmação (a), podemos aplicar o caso 1 em $ g_n $ para cada $ n $ para obter um processo estocástico simples $ f_n(t) $ tal que

\[\int_a^b\mathbb{E}\left[\left|g_n(t)-f_n(t)\right|^2\right]dt\leq \frac{1}{n}.\]

Então, pela afirmação (b) e a desigualdade acima, temos que

\[\lim_{n\rightarrow\infty}\int_a^b\mathbb{E}\left[\left|f(t)-f_n(t)\right|^2\right]dt = 0,\]

o que completa a demonstração para o caso 2.

Caso 3: Caso geral para $ f\in L^2_{\text{ad}}([a,b]\times\Omega) $.

Para cada $ n $ definimos

\[g_n(t,\omega) = \left\{\begin{array}{l}f(t,\omega), \ \text{se} \ |f(t,\omega)|\leq n\\0, \ \text{se} \ |f(t,\omega)| \ \textgreater \ n\end{array}\right.\]

Então, pelo teorema da convergência dominada,

\[\int_a^b\mathbb{E}\left[\left|f(t)-g_n(t)\right|^2\right]dt\rightarrow 0 \ \text{quando} \ n\rightarrow \infty. \qquad (3)\]

Agora, para cada $ n $, aplicamos o caso 2 em $ g_n $ para selecionar um processo estocástico simples $ f_n(t) $ tal que

\[\int_a^b\mathbb{E}\left[\left|g_n(t)-f_n(t)\right|^2\right]dt\leq \frac{1}{n}. \qquad (4)\]

Então, das equações (3) e (4), concluímos a demonstração do resultado.

$ \square $

Ressaltamos que o Teorema 10.2.2 é de fundamental importância para a definição de integral de Itô. De fato, aplicamos o Teorema 10.2.2 para obter uma sequência $ \{f_n(t,\omega)\}_n $ de processos estocásticos simples adaptados tal que

\[\lim_{n\rightarrow\infty}\int_a^b\mathbb{E}\left[\left|f(t)-f_n(t)\right|^2\right]dt = 0.\]

Para cada $ n $, $ I(f_n) $ está definida, já que $ f_n $ é um processo estocástico simples. Além disso, do Lema 10.2.1, temos que

\[\mathbb{E}\left[\left|I(f_n)-I(f_m)\right|^2\right] = \int_a^b\mathbb{E}\left[\left|f_n(t)-f_m(t)\right|^2\right]dt \rightarrow 0 \ \text{quando} \ n,m\rightarrow\infty\]

de modo que a sequência $ \{I(f_n)\}_n $ é uma sequência de Cauchy em $ L^2(\Omega) $. Desta forma, definimos a integral estocástica com respeito a $ f\in L^2_{\text{ad}}([a,b]\times\Omega) $ por

=\lim_{n\rightarrow\infty}I(f_n) \ \text{em} \ L^2(\Omega).\]

Utilizando argumentos similares apresentados na integral de Wiener, a integral estocástica $ I(f) $ está bem definida.

Definição 10.2.1:

O limite $ I(f) $ definido acima é chamada de integral de Itô de $ f $ e denotada por

\[\int_a^bf(t)dB_t.\]

Assim, a integral de Itô está bem definida para $ f\in L^2_{\text{ad}}([a,b]\times\Omega) $ e é uma aplicação linear.

O teorema a seguir é uma extensão imediada to Lema 10.2.1 e sua demonstração sera omitida.

Teorema 10.2.3:

Seja $ f\in L^2_{\text{ad}}([a,b]\times\Omega) $. Então a integral de Itô

\[I(f) = \int_a^bf(t)dB_t\]

é uma variável aleatória com $ \mathbb{E}\left[I(f)\right] = 0 $ e

\[\mathbb{E}\left[\left|I(f)\right|^2\right] = \int_a^b\mathbb{E}\left[\left|f(t)\right|^2\right]dt.\]

Deste teorema, temos que a integral de Itô L^2_{\text{ad}}([a,b]\times\Omega)\rightarrow L^2(\Omega) $ é uma isometria, já que

\[\left\|\int_a^bf(t)dB_t\right\|^2_{L^2(\Omega)} = \|I(t)\|^2_{L^2(\Omega)} = \langle I(f),I(f)\rangle = \mathbb{E}\left[\left|I(f)\right|^2\right] = \int_a^b\mathbb{E}\left[\left|f(t)\right|^2\right]dt = \|f(t)\|^2_{L^2_{\text{ad}}([a,b]\times\Omega)}.\]

Um corolário imediato é o seguinte.

Corolário 10.2.1:

Para quaisquer $ f,g\in L^2_{\text{ad}}([a,b]\times\Omega) $, a seguinte igualdade ocorre

\[\mathbb{E}\left[\int_a^bf(t)dB_t\int_a^bg(t)dB_t\right] = \int_a^b\mathbb{E}\left[f(t)g(t)\right]dt.\]

Exemplo 10.2.3:

Vamos verificar que

\[\int_a^bB_tdB_t = \frac{1}{2}\left(B^2_b - B^2_a - (b-a)\right)\]

Já tentamos definir esta integral. Quando utilizamos o ponto extremo à esquerda dos subintervalos de uma partição de $ [a,b] $ para o integrando, chegamos na soma $ L_n $ dada por

\[L_n = \sum_{i=1}^nB_{t_{i-1}}\left(B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\right).\]

Se tomamos a integral como o limite de $ L_n $ quando $ n\rightarrow \infty $, temos que

\[\int_a^bB_tdB_t = \frac{1}{2}\left(B^2_b-B^2_a-(b-a)\right)\]

De fato, observamos que $ \mathbb{E}\left[B_tB_s\right] = \min\{s,t\} $ que é uma função contínua de $ t $ e $ s $. Então, podemos aplicar o caso 1 do Teorema 10.2.2 ao integrando $ f(t) = B_t $, ou seja, para uma partição $ \Delta_n = \{a = t_0 \ \textless \ t_1 \ \textless \ \ldots \ \textless \ t_{n-1} \ \textless \ t_n = b\} $ de $ [a,b] $ definimos o processo estocástico $ f_n(t) $ por

\[f_n(t) = B_{t_{i-1}} \ \text{para} \ t_{i-1} \ \textless \ t \leq t_i.\]

Então, da definição da integral para processos simples, temos que a integral de Itô $ \int_a^bB_tdB_t $ é dada por

\[\int_a^bB_tdB_t = \lim_{n\rightarrow\infty}I(f_n) \ \text{em} \ L^2(\Omega)\]

em que

\[I(f_n) = \sum_{i=1}^nB_{t_{i-1}}\left(B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\right)\]

que é igual a $ L_n $. Portanto

\[\int_a^bB_tdB_t = \frac{1}{2}\left(B^2_b-B^2_a-(b-a)\right).\]

Exemplo 10.2.4:

Calcular a integral

\[\int_a^bB^2_tdB_t = \frac{1}{3}\left(B^3_b-B^3_a\right)-\int_a^bB_tdt.\]

De fato, suponha que $ s \ \textless \ t $. Temos que

\[\mathbb{E}\left[B^2_tB^2_s\right] = \mathbb{E}\left[\left(B_t-B_s+B_s\right)^2B^2_s\right]=\mathbb{E}\left[\left(\left(B_t-B_s\right)^2 + 2B_s\left(B_t-B_s\right) + B^2_s\right)B^2_s\right] = (t-s)s + 3s^2\]

o que mostra que $ \mathbb{E}\left[B^2_tB^2_s\right] $ é uma função contínua de $ t $ e $ s $. Então, aplicamos o caso 1 para a função $ f(t) = B^2_t $.

Para uma partição $ \Delta_n = \{a = t_0 \ \textless \ t_1 \ \textless \ \ldots \ \textless \ t_{n-1} \ \textless \ t_n = b\} $ de $ [a,b] $, definimos o processo estocástico = B^2_{t_{i-1}} $ se $ t_{i-1} \ \textless \ t \leq t_i $. Portanto, a integral de Itô é dada por

\[\int_a^bB^2_tdB_t = \lim_{n\rightarrow\infty}\sum_{i=1}^nB^2_{t_{i-1}}\left(B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\right) \ \text{em} \ L^2(\Omega)\]

em que a série converge em $ L^2(\Omega) $. Também podemos verificar que

\[3\sum_{i=1}^nB^2_{t_{i-1}}\left(B_{t_1}-B_{t_{i-1}}\right) = B^3_b - B^3_a - \sum_{i=1}^n\left(B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\right)^3 - 3\sum_{i=1}^nB_{t_{i-1}}\left(B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\right)^2.\]

Utilizando o fato de que $ \mathbb{E}\left[\left|B_t-B_s\right|^6\right] = 15\left|t-s|^3 $ (verifique!), temos que

\[\mathbb{E}\left[\left|\sum_{i=1}^n\left(B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\right)^3\left|^2\right] = \mathbb{E}\left[\sum_{i=1}^n\left|B_{t_i}-B_{t-{i-1}}\right|^6\right] = 15\sum_{i=1}^n\left(t_i-t_{i-1}\right)^3\leq 15\|\Delta_n\|^2(b-a)\stackrel{n\rightarrow\infty}{\longrightarrow}0.\]

Em contrapartida, para o segundo somatório, temos que (verificar)

\[\mathbb{E}\left[\left|\sum_{i=1}^nB_{t_{i-1}}\left(B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\right)^2 - \sum_{i=1}^nB_{t_{i-1}}(t_i-t_{i-1})\right|^2\right] = 2\sum_{i=1}^n2t_{i-1}(t_i-t_{i-1})^2\leq 2b(b-a)\|\Delta_n\|\stackrel{n\rightarrow\infty}{\longrightarrow}0\]

de forma que $ \sum_{i=1}^nB_{t_i}\left(B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\right)^2 $ converge para $ \sum_{i=1}^nB_{t_{i-1}}(t_i-t_{i-1}) = \int_a^bB_tdt $ em $ L^2(\Omega) $. Portanto, concluímos que

\[\int_a^bB^2_tdB_t = \lim_{n\rightarrow\infty}\sum_{i=1}^nB^2_{t_{i-1}}\left(B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\right) = \frac{1}{3}\left(B^3_b-B^3_a\right)-\int_a^bB_tdt\]

Exemplo 10.2.5:

O processo

\[X_t = \int_0^tB^2_udB_u = \frac{1}{3}B^3_t - \int_0^tB_udu\]

é um martingale.

De fato, seja $ 0\leq s\leq t $. Inicialmente, seja $ B^3_t $ escrito como

\[B^3_t = \left(B_t-B_s\right)^3 + 3\left(B_t-B_s\right)^2B_s + 3\left(B_t-B_s\right)B^2_s + B^3_s\]

e então, tomando a esperança condicional, temos que

\[\mathbb{E}\left[B^3_t\Big|\mathcal{F}_s\right] = \mathbb{E}\left[\left(B_t-B_s\right)^3\Big|\mathcal{F}_s\right] + 3\mathbb{E}\left[\left(B_t-B_s\right)^2B_s\Big|\mathcal{F}_s\right] + 3\mathbb{E}\left[\left(B_t-B_s\right)B^2_s\Big|\mathcal{F}_s\right]+\mathbb{E}\left[B^3_s\Big|\mathcal{F}_s\right] = 3(t-s)B_s + B^3_s.\]

Além disso, temos que

\[\mathbb{E}\left[\int_0^tB_udu\Big|\mathcal{F}_s\right]= \mathbb{E}\left[\int_0^sB_udu\Big|\mathcal{F}_s\right] + \mathbb{E}\left[\int_s^tB_ud_u\Big|\mathcal{F}_s\right] = \int_0^sB_udu + \int_s^t\mathbb{E}\left[B_u|\mathcal{F}_s\right]du = \int_0^sB_udu + B_s(t-s).\]

Portanto,

\[\mathbb{E}\left[X_t\Big|\mathcal{F}_s\right] = (t-s)B_s + \frac{1}{3}B^3_s - \int_0^sB_ud_u - B_s(t-s) = \frac{1}{3}B^3_s - \int_0^sB_udu = X_s\]

o que mostra que $ X_t $ é um martingale.

Considere agora $ X_t $ com $ a\leq t\leq b $ um martingale e $ \phi $ uma função convexa tal que $ \phi(X_t) $ é integrável para cada $ t\in[a,b] $. Então $ \phi(X_t) $ é um submartingale a partir da desigualdade de Jensen. Por exemplo, com a função $ \phi(x) = |x| $, temos o submartingale $ |X_t| $.

Definição 10.2.2:

Um processo estocástico $ X_t $ com $ a\leq t\leq b $ é chamado contínuo à direita se quase todas as suas trajetórias são funções contínuas à direita em $ [a,b] $, isto é,

\[\mathbb{P}\left[\left\{\omega; X_t(\omega) \ \text{é contínuo à direita em} \ [a,b]\right\}\right] = 1.\]

Teorema 10.2.4: (Desigualdade submartingale de Doob)

Seja $ X_t $ com $ a\leq t\leq b $ um submartingale contínuo à direita. Então, para todo $ \varepsilon \ \textgreater \ 0 $, temos que

\[\mathbb{P}\left[\left\{\sup_{0\leq t\leq b}X_t\geq\varepsilon\right\}\right] \leq \frac{1}{\varepsilon}\mathbb{E}\left[X_b^{+}\right]\]

em que $ X_b^{+} $ é a parte positiva de $ X_b $, isto é, $ X_b^{+} = \max_{\omega}\{X_b,0\} $. Em particular, se $ X_t $ é um martingale contínuo à direita, então, para todo $ \varepsilon \ \textgreater \ 0 $,

\[\mathbb{P}\left[\left\{\sup_{0\leq t\leq b}|X_t|\geq\varepsilon\right\}\right] \leq \frac{1}{\varepsilon}\mathbb{E}\left[\left|X_b\right|\right].\]

Demonstração: Seja $ \mathbb{Q}= \{r_1,r_2,\ldots\} $ uma enumeração dos números racionais em $ [a,b] $. Então, da continuidade à direita de $ X_t $, temos que

\[\sup_{a\leq t\leq b}X_t = \sup_{r\in\mathbb{Q}}X_r \ \mathbb{P}-q.c. \qquad (5)\]

Para cada $ k $, organizamos os números no conjunto $ \{r_1,r_2,\ldots,r_k\} $ em ordem crescente $ \{r^{(k)}_1 \ \textless \ r^{(k)}_2 \ \textless \ r^{(k)}_k\} $. Então, para todo $ \varepsilon \ \textgreater \ 0 $, temos que

\[\left\{\sup_{r\in\mathbb{Q}}X_r \geq \varepsilon\right\}=\bigcap_{n=1}^{\infty}\bigcup_{k=1}^{\infty}\left\{\max_{1\leq v\leq k}X_{r^{(k)}_v} \geq \varepsilon - \frac{1}{n}\right\}. \qquad (6)\]

De $ (5) $ e $ (6) $, segue que

\[\mathbb{P}\left[\left\{\sup_{a\leq t\leq b}X_t \geq \varepsilon\right\}\right] = \mathbb{P}\left[\left\{\sup_{r\in\mathbb{Q}}X_t\geq\varepsilon\right\}\right] = \lim_{n\rightarrow\infty}\lim_{k\rightarrow\infty}\mathbb{P}\left[\left\{\max_{1\leq v\leq k}X_{r^{(k)}_v}\geq \varepsilon - \frac{1}{n}\right\}\right] \qquad (7)\]

Observamos agora que $ \left\{X_{r^{(k)}_j}\right\}_{j\geq 1} $ é um submartingale discreto. Então, pela desigualdade submartingalde de Doob discreta, temos que

\[\mathbb{P}\left[\left\{\max_{1\leq v\leq k}X_{r^{(k)}_v} \geq \varepsilon - \frac{1}{n}\right\}\right] \leq \frac{1}{\varepsilon - \frac{1}{n}}\mathbb{E}\left[X_{r^{(k)}_v}\right]. \qquad (8)\]

Também observamos que $ \left\{X^{+}_{r^{(k)}_j}\right\}_j $ é um submartingale. Portanto,

\[\mathbb{E}\left[X_b^{+}\Big|\mathcal{F}_{r^{(k)}_k}\right]\geq X_{r^{(k)}_k}^{+} \ \text{q.c}\]

e, aplicando o valor esperado, segue que

\[\mathbb{E}\left[X_{r^{(k)}_k}^{+}\right]\leq \mathbb{E}\left[X_b^{+}\right]. \qquad (9)\]

Juntando $ (7) $, $ (8) $ e $ (9) $, temos

\[\mathbb{P}\left[\left\{\sup_{a\leq t\leq b}X_t\geq \varepsilon\right\}\right] \leq \frac{1}{\varepsilon}\mathbb{E}\left[X_{r^{(k)}_v}^{+}\right]\leq\frac{1}{\varepsilon}\mathbb{E}\left[X_b^{+}\right]\]

como queríamos demonstrar.

$ \square $

Processos estocásticos definidos por integrais de Itô

Seja $ B_t $ um movimento Browniano fixo e $ \{\mathcal{F}_t; \ a\leq t\leq b\} $ uma filtragem tal que $ B_t $ é $ \mathcal{F}_t $-mensurável e, para todo $ a\leq s \ \textless \ t\leq b $, $ B_t-B_s $ é independente de $ \mathcal{F}_s $. Então, temos que, para todo $ t\in[a,b] $ e $ f\in L^2_{\text{ad}}([a,b]\times\Omega) $,

\[\int_a^t\mathbb{E}\left[\left|f^2(s)\right|\right]ds \leq \int_a^b\mathbb{E}\left[\left|f^2(s)\right|\right]ds \ \textless \ \infty.\]

Então, $ f\in L^2_{\text{ad}}([a,t]\times\Omega) $, o que implica que, para cada $ t\in[a,b] $, a integral estocástica $ \int_a^tf_sdB_s $ está definida. Considere um processo estocástico dado por

\[X_t = \int_a^tf_sdB_s; \ a\leq t\leq b.\]

A partir da isometria entre os espaços $ L^2_{\text{ad}}([a,b]\times\Omega) $ e $ L^2(\Omega) $, temos que

\[\mathbb{E}\left[\left|X_t\right|^2\right] = \mathbb{E}\left[\left|\int_a^tf(s)dB_s\right|^2\right] = \int_a^t\mathbb{E}\left[\left|f(s)\right|^2\right]ds \ \textless \ \infty\]

e, como $ \mathbb{E}\left[|X_t|\right] \leq \left[\mathbb{E}\left[\left|X_t^2\right|\right]\right]^{\frac{1}{2}} \ \textless \ infty $, a variável aleatória $ X_t $ é integrável para cada $ t $. Logo, podemos tomar a esperança condicional de $ X_t $ com respeito a uma $ \sigma $-álgebra $ \mathcal{F}_s $.

Teorema 10.2.5: (Propriedade martingale)

Suponha que $ f\in L^2_{\text{ad}}([a,b]\times\Omega) $. Então, o processo estocástico

\[X_t=\int_a^tf(s)dB_s, \ a\leq t\leq b\]

é um martingale com respeito à filtragem $ \{\mathcal{F}_t; \ a\leq t\leq b\} $.

Demonstração: Inicialmente, considere o caso em que $ f $ é um processo estocástico simples. Precisamos mostrar que, para todo $ a\leq s \ \textless \ t\leq b $,

\[\mathbb{E}\left[X_t\Big|\mathcal{F}_s\right] = X_s.\]

Porém, temos que

\[X_t = \int_a^tf(s)dB_s = \int_a^sf(u)dB_u + \int_s^tf(u)dB_u = X_s + \int_s^tf(u)dB_u\]

e então, basta mostrar que $ \int_s^tf(u)dB_u = 0 $. Suponha, inicialmente, que $ f $ é uma função simples dada por

\[f(u,\omega) = \sum_{i=1}^n\xi_{i-1}(\omega)\mathds{1}_{(t_{i-1},t_i]}(u)\]

em que $ s = t_0 \ \textless \ t_1 \ \textless \ \ldots \ \textless t_n = t $ e $ \xi_{i-1} $ é $ \mathcal{F}_{t_{i-1}} $-mensurável e pertence a $ L^2(\Omega) $. Então

\[\int_s^tf(u)dB_u = \sum_{i=1}^n\xi_{i-1}\left(B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\right).\]

Para todo $ i = 1,2,\ldots,n $, temos que

\[\mathbb{E}\left[\xi_{i-1}\left(B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\rght)\Big|\mathcal{F}_s\right] = \mathbb{E}\left[\mathbb{E}\left[\xi_{i-1}\left(B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\Big|\mathcal{F}_{t_{i-1}}\right]\Big| \mathcal{F}_s \right] = \mathbb{E}\left[\xi_{i-1}\mathbb{E}\left[B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\Big|\mathcal{F}_{t_{i-1}}\right]\Big|\mathcal{F}_s\right] = 0.\]

Considere agora o caso geral. Seja $ f\in L^2_{\text{ad}}([a,b]\times\Omega) $. Tome uma sequência $ \{f_n\} $ de processos simples em $ L^2_{\text{ad}}([a,b]\times\Omega) $ tal que

\[\lim_{n\rightarrow\infty}\int_a^b\mathbb{E}\left[\left|f_n(u)-f(u)\right|^2\right]du = 0.\]

Para cada $ n $, definimos o processo estocástico

\[X^n_t = \int_a^tf_n(u)dB_u.\]

Neste caso, $ X^n_t $ é um martingale. De fato, para $ s \ \textless \ t $, escrevemos

\[X_t - X_s = (X_t - X^n_t) + (X^n_t - X^n_s) + (X^n_s - X_s)\]

e, então

\[\mathbb{E}\left[X_t-X_s\Big|\mathcal{F}_s\right] = \mathbb{E}\left[X_t-X^n_t\Big|\mathcal{F}_s\right] + \mathbb{E}\left[X^n_s - X_s\Big|\mathcal{F}_s\right]. \qquad (10)\]

Observamos que

\[\mathbb{E}\left[\left(\left|\mathbb{E}\left[X_t-X^n_t\Big|\mathcal{F}_s\right]\right|^2\right] \leq \mathbb{E}\left[\mathbb{E}\left[\left|X_t-X^n_t\right|^2\Big|\mathcal{F}_s\right]\right] = \mathbb{E}\left[\left|X_t-X^n_t\right|^2\right].\]

Então,

\[\mathbb{E}\left[\left|\mathbb{E}\left[X_t-X^n_t\Big|\mathcal{F}_s\right]\right|^2\right]\leq \int_a^t\mathbb{E}\left[\left|f_n(u)-f(u)\right|^2\right]du \leq\int_a^b\mathbb{E}\left[\left|f_n(u)-f(u)\right|^2\right]du \rightarrow 0 \ \text{quando} \ n\rightarrow\infty.\]

Portanto, tomando uma subsequência, se necessário, vemos que $ \mathbb{E}\left[X_t-X^n_t\Big|\mathcal{F}_s\right] $ converge quase certamente para 0. Analogamente, $ \mathbb{E}\left[X^n_s-X^s\Big|\mathcal{F}_s\right] $ converge quase certamente para 0. Então $ \mathbb{E}\left[X_t-X_s\Big|\mathcal{F}_s\right] = 0 $ q.c e $ \mathbb{E}\left[X_t\Big|\mathcal{F}_s\right] = X_s $, de forma que $ X_t $ é um martingale, concluindo a demonstração.

$ \square $

Teorema 10.2.6: (Propriedade da continuidade)

Suponha que $ f\in L^2_{\text{ad}}([a,b]\times\Omega) $. Então o processo estocástico

\[X_t = \int_a^tf(s)dB_s, \quad a\leq t\leq b\]

é contínuo, isto é, quase todas as trajetórias são funções contínuas no intervalo $ [a,b] $.

Demonstração: Inicialmente, considere o caso em que $ f $ é um processo estocástico simples, digamos

\[f(s,\omega) = \sum_{i=1}^n\xi_{i-1}(\omega)\mathds{1}_{(t_{i-1},t_i]}(s)\]

em que $ \xi_{i-1} $ é $ \mathcal{F}_{t_{i-1}} $-mensurável. Neste caso, para cada $ \omega\in\Omega $ fixo, a trajetória de $ X_t $ é dada por

\[X_t(\omega) = \sum_{i=1}^{k-1}\xi_{i-1}(\omega)\left(B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\right) + \xi_{k-1}(\omega)\left(B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\right)\]

para $ t_{k-1} \leq t \ \textless \ t_k $. Observe que, para quase todo $ \omega $, a trajetória do movimento Browniano $ B_t $ é contínua. Então, para quase todo $ \omega $, a trajetória $ X_t(\omega) $ é contínua em $ [a,b] $.

Considere agora o caso geral. Seja $ \{f_n\} $ uma sequência de processos estocásticos simples em $ L^2_{\text{ad}}([a,b]\times\Omega) $ tal que

\[\lim_{n\rightarrow\infty}\int_a^b\mathbb{E}\left[|f_n(s)-f(s)|^2\right]ds = 0.\]

Podemos escolher uma subsequência, se necessário, tal que

\[\int_a^b\mathbb{E}\left[\left|f_n(s)-f(s)\right|^2\right]ds\leq \frac{1}{n^6}, \ \text{para todo} \ n\geq 1.\]

Para cada $ n $, definimos um processo estocástico

\[X^n_t = \int_a^tf_n(s)dB_s, \quad a\leq t\leq b\]

e então, quase todas as trajetórias de $ X^n_t $ são contínuas. Além disso, do Teorema 10.2.5, $ X_t $ e $ X^n_t $ são martingales. Então, pela Desigualdade submartingalde de Doob, temos que

\sup_{a\leq t\leq b}|X_t-X^n_t|\geq\frac{1}{n}\right\}\right]\leq n\mathbb{E}\left[\left|X_b-X_b^n\right|\right].\]

Da desigualdade de Schwartz,

\[\mathbb{E}\left[\left|X_b-X^n_b\right|\right]\leq\left(\mathbb{E}\left[\left|X_b-X^n_b\right|^2\right]\right)^{\frac{1}{2}} = \left(\int_a^b\left|f(s)-f_n(s)\right|^2ds\right)^{\frac{1}{2}}\leq \frac{1}{n^3}.\]

Portanto, para todo $ n\geq 1 $,

\sup_{a\leq t\leq b}\left|X_t-X^n_t\right|\geq\frac{1}{n}\right\}\right]\leq \frac{1}{n^2}.\]

Como $ \sum_{n=1}^{\infty}\frac{1}{n^2} \ \textless \ \infty $, pelo teorema de Borel-Cantelli, temos que

\sup_{a\leq t\leq b}\left|X_t-X^n_t\right|\geq\frac{1}{n}\right\}\right] = 0\]

e, tomando o complementar do evento $ \{A_n \ \text{ocorre infinitas vezes}\} $ temos que

\sup_{a\leq t\leq b}\left|X_t-X^n_t\right|\geq\frac{1}{n} \ \text{ocorre um número finito de vezes}\right\}\right] = 1.\]

Portanto, existe um evento $ \Omega_0 $ tal que $ \mathbb{P}\left[\Omega_0\right] = 1 $ e, para cada $ \omega\in\Omega_0 $, existe um inteiro positivo $ N(\omega) $ tal que

\[\sup_{a\leq t\leq b}\left|X_t(\omega)-X^n_t(\omega)\right| \ \textless \ \frac{1}{n}, \ \text{para todo} \ n\geq N(\omega).\]

Assim, para cada $ \omega\in\Omega_0 $, a sequência de funções $ X^n_t(\omega) $, com $ n\geq 1 $, converge uniformemente para $ X_t(\omega) $ em $ [a,b] $. mas, para cada $ n $, o processo estocástico $ X^n_t $ é contínuo e, então existe um evento $ \Omega_n $ com $ \mathbb{P}(\Omega_n) = 1 $ e, para qualquer $ \omega\in\Omega_n $, a função $ X^n(\omega) $ é contínua.

Finalmente, seja $ \tilde{\Omega} = \cap_{n=0}^{\infty}\Omega_n $. Então, temos que $ \mathbb{P}\left[\tilde{\Omega_n}\right] = 1 $ e, para cada $ \omega\in\tilde{\Omega} $, a sequência

\[X^n_{\cdot}(\omega), \quad n = 1,2,3,\ldots\]

é uma sequência de funções contínuas que converge uniformemente para $ X_{\cdot}(\omega) $ em $ [a,b] $. Segue que $ X_{\cdot}(\omega) $ é uma função contínua para cada $ \omega\in\tilde{\Omega} $. Então, quase todas as trajetórias dos processos estocásticos $ X_t $ são funções contínuas em $ [a,b] $. Desta forma, mostramos que $ X_t $ é um processo estocástico contínuo.

$ \square $

Extensão de integrais estocásticas

A integral de Itô foi definida para processos estocásticos $ f(t) $ que são $ \mathcal{F}_t $-adaptados e que satisfazem a condição $ \int_a^b\mathbb{E}\left[\left|f(t)\right|^2\right]dt \ \textless \ \infty $. Desta forma, vimos que a integral estocástica $ I(f) $ pertence a $ L^2(\Omega) $ e, portanto, é integrável. Além disso, $ X_t = \int_a^tf(s)dB_s $ com $ a\leq t\leq b $ é um martingale. A ideia agora é estender o conceito da integral de Itô $ I(f) $ para processos estocásticos $ f(t) $ que sejam $ \mathcal{F}_t $-adaptados e que satisfazem a condição $ \int_a^b\left|f(t)\right|^2dt \ \textless \ \infty $ quase certamente. Neste caso, a integral $ I(f) $ é uma variável aleatória, em geral, não integrável. A falta de integrabilidade de um processo estocástico leva ao conceito de martingale local.

A fim de estender o conceito de integral para esta classe maior de integrandos, fixamos um movimento Browniano $ B_t $ e uma filtragem $ \left\{\mathcal{F}_t\right\}_t $ com $ a\leq t\leq b $ tal que

  1. para cada $ t $, $ B_t $ é $ \mathcal{F}_t $-mensurável.
  2. para qualquer $ s\leq t $, a variável aleatória $ B_t - B_s $ é independente da $ \sigma $-álgebra $ \mathcal{F}_s $.

Vamos definir a integral estocástica $ \int_a^bf(t)dB_t $ para um processo estocástico $ f(t,\omega) $ que satisfaz as seguintes condições

  1. $ f(t) $ é adaptado à filtragem $ \mathcal{F}_t $.
  2. $ \int_a^b\left|f(t)\right|^2dt \ \textless \ \infty $ q.c.

Notação 10.2.2:

Usaremos a notação $ \mathcal{L}_{\text{ad}}(\Omega,L^2([a,b])) $ para denotar o espaço dos processos estocásticos $ f(t,\omega) $ que satisfazem as condições definidas acima.

Se $ f(t)\in L^2_{\text{ad}}([a,b]\times\Omega) $, então $ \mathbb{E}\left[\left|f(t)\right|^2\right] \ \textless \ \infty $ e, pelo teorema de Fubini, temos que

\[\mathbb{E}\left[\int_a^b\left|f(t)\right|^2dt\right] = \int_a^b\mathbb{E}\left[\left|f(t)\right|^2\right]dt \ \textless \ \infty\]

de onde concluímos que $ L^2_{\text{ad}}([a,b]\times\Omega)\subset\mathcal{L}_{\text{ad}}(\Omega,L^2([a,b])) $. Desta forma temos uma classe efetivamente maior de integrandos $ f(t,\omega) $ para a integral estocástica $ \int_a^bf(t)dB_t $. A diferença crucial é a possível falta de integrabilidade do integrando $ f(t,\omega) $ com respeito à variável $ \omega $.

Exemplo 10.2.6:

Considere o processo estocástico $ f(t) = e^{B^2_t} $. Temos que

\[\mathbb{E}\left[\left|f(t)\right|^2\right] = \mathbb{E}\left[e^{2B^2_t}\right] = \left\{\begin{array}{l}\frac{1}{\sqrt{1-4t}}, \ \text{se} \ 0\leq t \ \textless \ \frac{1}{4}\\\infty, \ \text{se} \ t\geq \frac{1}{4}\end{array}\right.\]

É claro que $ \int_0^1\mathbb{E}\left[\left|f(t)\right|^2\right]dt = \infty $ e então $ f\notin L^2_{\text{ad}}([0,1]\times\Omega) $. Então, $ \int_0^1e^{B^2_t}dB_t $ não é uma integral estocástica como definido anteriormente. Porém, como $ f(t) $ é uma função contínua de $ t $, $ \int_0^1\left|f(t)\right|^2dt \ \textless \ \infty $ q.c. Ou seja, $ f\in\mathcal{L}_{\text{ad}}(\Omega,L^2([0,1])) $.

Exemplo 10.2.7:

Considere o processo estocástico $ f(t) = e^{B^k_t} $. Para qualquer inteiro $ k\geq 3 $, temos que

\[\mathbb{E}\left[\left|f(t)\right|^2\right] = \mathbb{E}\left[e^{2B^k_t}\right] = \int_{-\infty}^{\infty}e^{2x^k}\frac{1}{\sqrt{2\pi t}}e^{-\frac{x^2}{2t}}dx = \infty.\]

Então, $ f\notin L^2_{\text{ad}}([a,b]\times\Omega) $. Reciprocamente, observamos que quase todas as trajetórias de $ f(t) $ são funções contínuas e, portanto, pertencem a $ L^2([a,b]) $. Assim, temos que $ f\in\mathcal{L}_{ad}(\Omega,L^2([a,b])) $.

Observação 10.2.2:

É importante observar que, em geral, são necessárias muitas contas para verificar se um processo estocástico $ \mathcal{F}_t $-adaptado pertence a $ L^2_{\text{ad}}([a,b]\times\Omega) $, porém é fácil verificar se o processo pertence a $ \mathcal{L}_{\text{ad}}(\Omega,L^2([a,b])) $.

Lema 10.2.2:

Seja $ f\in\mathcal{L}_{\text{ad}}(\Omega,L^2([a,b])) $. Então existe uma sequência $ \{f_n\}_n $ em $ L^2([a,b]\times\Omega) $ tal que

\[\lim_{n\rightarrow\infty}\int_a^b\left|f_n(t)-f(t)\right|^2dt = 0 \ \text{q.c}\]

e, portanto, também em probabilidade.

Demonstração: Para cada $ n $ definimos

\[f_n(t,\omega) = \left\{\begin{array}{l}f(t,\omega), \ \text{se} \ \int_a^t\left|f(s,\omega)\right|^2ds \leq n\\0, \ \text{caso contrário}\end{array}\right.\]

Então, $ f_n $ é adaptado à filtragem $ \{\mathcal{F}_t\}_t $. Além disso,

\[\int_a^b\left|f_n(t)\right|^2dt = \int_a^{\tau_n(\omega)}\left|f(t)\right|^2dt \ \text{q.c}\]

em que $ \tau_n(\omega) = \sup\{t; \int_a^t\left|f(s)\right|^2ds\leq n\} $. Portanto, temos que

\[\int_a^b\left|f_n(t)\right|^2dt \leq n \ \text{q.c}\]

o que implica que $ \int_a^b\mathbb{E}\left[\left|f(t)\right|^2\right]dt\leq n $ e, portanto, $ f_n\in L^2_{\text{ad}}([a,b]\times\Omega) $. Seja $ \omega $ fixo. Assim que $ n $ torna-se suficientemente grande de forma que $ \int_a^b\left|f(t)\right|^2dt \ \textless \ n $, temos que

\[f_n(t) = f(t) \ \text{para todo} \ t\in[a,b]\]

o que implica que

\[\lim_{n\rightarrow\infty}\int_a^b\left|f_n(t)-f(t)\right|^2dt = 0.\]

Como $ \int_a^b\left|f(t)\right|^2dt \ \textless \ \infty $ q.c, a convergência ocorre quase certamente. Além disso, a convergência quase certa implica a convergência em probabilidade.

$ \square $

A seguir, apresentamos um lema fundamental para a definição de integral estocástica para funções $ f\in\mathcal{L}_{\text{ad}}(\Omega,L^2([a,b])) $.

Lema 10.2.3:

Seja $ f(t) $ um processo estocástico simples em $ L^2_{\text{ad}}([a,b]\times\Omega) $. Então a desigualdade

\[\mathbb{P}\left[\left\{\left|\int_a^bf(t)dB_t\right| \ \textless \ \varepsilon\right\}\right]\leq\frac{c}{\varepsilon^2}+\mathbb{P}\left[\left\{\int_a^b\left|f(t)\right|^2dt \ \textgreater \ c\right\}\right]\]

ocorre para quaisquer constantes positivas $ \varepsilon $ e $ c $.

Demonstração: Para cada constante positiva $ c $, definimos um processo estocástico $ f_c(t) $ dado por

\[f_c(t) = \left\{\begin{array}{l}f(t), \ \text{se} \ \int_a^t\left|f(s)\right|^2ds\leq c\\0, \ \text{caso contrário}\end{array}\right..\]

Observamos que

\[\left\{\left|\int_a^bf(t)dB_t\right| \ \textgreater \ \varepsilon\right\}\subset\left\{\left|\int_a^bf_c(t)dB_t\right| \ \textgreater \ \varepsilon\right\}\bigcup\left\{\int_a^bf(t)dB_t\neq\int_a^bf_c(t)dB_t\right\}.\]

Então, temos que

\[\mathbb{P}\left[\left\{\left|\omt_a^bf(t)dB_t\right| \ \textgreater \ \varepsilon\right\}\right]\leq \mathbb{P}\left[\left\{\left|\int_a^bf_c(t)dB_t\right| \ \textgreater \ \varepsilon\right\} + \mathbb{P}\left[\left\{\int_a^bf(t)dB_t\neq\int_a^bf_c(t)dB_t\right\}\right].\]

Como $ f $ é um processo estocástico simples, temos que

\[\left\{\int_a^bf(t)dB_t\neq\int_a^bf_c(t)dB_t\right\}\subset\left\{\int_a^b\left|f(t)\right|^2dt \ \textgreater \ c\right\}.\]

Portanto,

\[\mathbb{P}\left[\left\{\left|\int_a^bf(t)dB_t\right\right| \ \textgreater \ \varepsilon\right\} \right]\leq \mathbb{P}\left[\left\{\left|\int_a^bf_c(t)dB_t\right| \ \textgreater \ \varepsilon\right\}\right] + \mathbb{P}\left[\left\{\int_a^b\left|f(t)\right|^2dt \ \textgreater \ c\right\}\right].\]

Da definição de $ f_c $, temos que $ \int_a^b\left|f_c(t)\right|^2dt\leq c $ q.c. Então $ \mathbb{E}\left[\int_a^b\left|f_c(t)\right|^2dt\right]\leq c $ e, então, podemos aplicar a desigualdade de Chebyschev ao primeiro termo da última desigualdade e

\[\mathbb{P}\left[\left\{\left|\int_a^bf(t)dB_t\right| \ \textgreater \ \varepsilon\right\}\right] \leq \frac{1}{\varepsilon^2}\mathbb{E}\left[\left|\int_a^bf_c(t)dB_t\right|^2\right]+\mathbb{P}\left[\left\{\int_a^b\left|f(t)\right|^2dt \ \textgreater \ c\right\}\right]\]

e, portanto

\[\mathbb{P}\left[\left\{\left|\int_a^bf(t)dB_t\right| \ \textgreater \ \varepsilon\right\}\right]\leq \frac{1}{\varepsilon^2}\int_a^b\mathbb{E}\left[\left|f_c(t)\right|^2\right]dt+\mathbb{P}\left[\left\{\int_a^b\left|f(t)\right|^2dt \ \textgreater \ c\right\}\right] \leq\frac{c}{\varepsilon^2}+\mathbb{P}\left[\left\{\int_a^b\left|f(t)\right|^2dt \ \textgreater \ c\right\}\right].\]

provando o resultado.

$ \square $

Lema 10.2.4:

Seja $ f\in\mathcal{L}_{\text{ad}}(\Omega,L^2([a,b])) $. Então, existe uma sequência $ \{f_n(t)\} $ de processos estocásticos simples em $ L^2_{\text{ad}}([a,b]\times\Omega) $ tal que

\[\lim_{n\rightarrow\infty}\int_a^b\left|f_n(t)-f(t)\right|^2dt = 0\]

em probabilidade.

Demonstração: Inicialmente, utilizando o Lema 10.2.2, existe uma sequência $ \{g_n\} $ em $ L^2_{\text{ad}}([a,b]\times\Omega) $ tal que

\[\lim_{n\rightarrow\infty}\int_a^b\left|g_n(t)-f(t)\right|^2dt = 0 \qquad (11)\]

em probabilidade. Agora, para cada $ g_n(t) $, existe um processo simples $ f_n(t) $ em $ L^2_{\text{ad}}([a,b]\times\Omega) $ tal que

\[\mathbb{E}\left[\int_a^b\left|f_n(t)-g_n(t)\right|^2dt\right] \ \textless \ \frac{1}{n}. \qquad (12)\]

Pela desigualdade de Young, temos que, para todo $ \varepsilon \ \textgreater \ 0 $,

\[\left\{\int_a^b\left|f_n(t)-f(t)\right|^2dt \ \textgreater \ \varepsilon\right\} \subset \left\{\int_a^b\left|f_n(t)-g_n(t)\right|^2dt \ \textgreater \ \frac{\varepsilon}{4}\right\}\bigcup\left\{\int_a^b\left|g_n(t)-f(t)\right|^2dt \ \textgreater \ \frac{\varepsilon}{4}\right\}\]

e, então

\[\mathbb{P}\left[\left\{\int_a^b\left|f_n(t)-f(t)\right|^2dt \ \textgreater \ \varepsilon\}\right] \leq \mathbb{P}\left[\left\{\int_a^b\left|f_n(t)-g_n(t)\right|^2dt \ \textgreater \ \frac{\varepsilon}{4}\right\}\right] + \mathbb{P}\left[\left\{\int_a^b\left|g_n(t)-f(t)\right|^2dt \ \textgreater \ \frac{\varepsilon}{4}\right\}\right].\]

E, da desigualdade de Chebyshev, juntamente com $ (12) $, temos que

\[\mathbb{P}\left[\left\{\int_a^b\left|f_n(t)-f(t)\right|^2dt \ \textgreater \ \varepsilon\right\}\right] \leq\frac{4}{\varepsilon n} + \mathbb{P}\left[\left\{\int_a^b\left|g_n(t)-f(t)\right|^2dt \ \textgreater \ \frac{\varepsilon}{4}\right\}\right].\]

Da equação $ (11) $, segue que, para todo $ \varepsilon \ \textgreater \ 0 $,

\[\lim_{n\rightarrow\infty}\mathbb{P}\left[\left\{\int_a^b\left|f_n(t)-f(t)\right|^2dt \ \textgreater \ \varepsilon\right\}\right] = 0\]

como queríamos.

$ \square $

Desta forma, estamos em condições de definir a integral

\[\int_a^bf(t)dB_t\]

para $ f\in\mathcal{L}_{\text{ad}}(\Omega,L^2([a,b])) $. A partir do Lema 10.2.4, podemos escolher uma sequência $ \{f_n\} $ de processos estocásticos simples em $ L^2([a,b]\times\Omega) $ tal que

\[\lim_{n\rightarrow\infty}\int_a^b\left|f_n(t)-f(t)\right|^2dt = 0 \qquad (13)\]

em probabilidade. Para cada $ n $, a integral estocástica

\[I(f_n) = \int_a^bf_n(t)dB_t\]

está bem definida. Aplicado o Lema 10.2.3 para $ f = f_n-f_m $ com $ \varepsion \ \textgreater \ 0 $ e $ c = \frac{\varepsilon^3}{2} $, temos

\[\mathbb{P}\left[\left\{I(f_n)-I(f_m)\right| \ \textgreater \ \varepsilon\right\}\right] = \mathbb{P}\left[\left\{\left|\int_a^bf_n(t)dB_t - \int_a^bf_m(t)dB_t\right| \ \textgreater \ \varepsilon\right\}\right]\leq\frac{\varepsilon}{2}+\mathbb{P}\left[\left\{\int_a^b\left|f_n(t)-f_m(t)\right|^2dt \ \textgreater \ \frac{\varepsilon^3}{2}\right\}\right]. \qquad (14)\]

Também é importante observar que

\[\left\{\int_a^b\left|f_n(t)-f_m(t)\right|dt \ \textgreater \ \frac{\varepsilon^3}{2}\right\}\subset\left\{\int_a^b\left|f_n(t)-f(t)\right|^2dt \ \textgreater \ \frac{\varepsilon^3}{8}\right\}\bigcup\left\{\int_a^b\left|f_m(t)-f(t)\right|^2dt \ \textgreater \ \frac{\varepsilon^3}{8}\right\}\]

de onde temos a desigualdade

\[\mathbb{P}\left[\left\{\int_a^b\left|f_n(t)-f_m(t)\right|^2dt \ \textgreater \ \frac{\varepsilon^3}{2}\right\}\right]\leq \mathbb{P}\left[\left\{\int_a^b\left|f_n(t)-f(t)\right|^2dt \ \textgreater \ \frac{\varepsilon^3}{8}\right\}\right] + \mathbb{P}\left[\left\{\int_a^b\left|f_m(t)-f(t)\right|^2dt \ \textgreater \ \frac{\varepsilon^3}{8}\right\}\right].\]

De $ (13) $, temos que

\[\lim_{n\rightarrow\infty}\mathbb{P}\left[\left\{\int_a^b\left|f_n(t)-f_m(t)\right|^2dt \ \textgreater \ \frac{\varepsilon^3}{2}\right\}\right] = 0\]

e então, existe $ N \ \textgreater \ 1 $, tal que

\[\mathbb{P}\left[\left\{\int_a^b\left|f_n(t)-f_m(t)\right|^2dt \ \textgreater \ \frac{\varepsilon^3}{2}\right\}\right] \ \textless \ \frac{\varepsilon}{2} \ \text{para todo} \ n,m\geq N. \qquad (15)\]

De $ (14) $ e $ (15) $, segue que

\[\mathbb{P}\left[\left\{\left|I(f_n)-I(f_m)\right| \ \textgreater \ \varepsilon\right\}\right] \ \textless \ \varepsilon \ \text{para todo} \ n, m\geq N\]

o que mostra que a sequência $ \{I(f_n)\} $ de variáveis aleatórias converge em probabilidade. Desta forma, definimos

\[I(f) = \int_a^bf(t)dB_t = \lim_{n\rightarrow\infty}\int_a^bf_n(t)dB_t = \lim_{n\rightarrow\infty}I(f_n) \ \text{em probabilidade}\]

Observação 10.2.3:

É importante observar que o limite é independente da escolha da sequência $ \{f_n\} $ de forma que a integral $ \int_a^bf(t)dB_t $ está bem definida. Além disso, a integral estocástica $ \int_a^bf(t)dB_t $ estende o conceito de integral estocástica de funções $ f\in L^2_{\text{ad}}([a,b]\times\Omega) $ para $ \mathcal{L}_{\text{ad}}(\Omega,L^2([a,b])) $. Outra importante observação é que, se $ f\in L^2_{\text{ad}}([a,b],\Omega) $ então $ \int_a^bf(t)dB_t $ pertence a $ L^2(\Omega) $. No entanto, se $ f\in\mathcal{L}_{\text{ad}}(\Omega,L^2([a,b])) $, então $ \int_a^bf(t)dB_t $ é uma variável aleat[oria e, em geral, não possui valor esperado finito.

Teorema 10.2.7:

Suponha que $ f $ é um processo estocástico $ \{\mathcal{F}_t\} $-adaptado contínuo. Então $ f\in\mathcal{L}_{\text{ad}}(\Omega,L^2([a,b])) $ e

\[\int_a^bf(t)dB_t = \lim_{\|\mathcal{P}_n\|\rightarrow 0}\sum_{i=1}^nf(t_{i-1})\left(B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\right) \ \text{em probabilidade}.\]

Demonstração: De fato, observamos que, se $ \theta\in\mathcal{L}_{\text{ad}}(\Omega,L^2([a,b])) $ é dado por

\[\theta(t,\omega) = \sum_{i=1}^n\xi_{i-1}(\omega)\mathds{1}_{[t_{i-1},t_i)}(t)\]

em que $ \xi_{i-1} $ é $ \mathcal{F}_{t_{i-1}} $-mensurável. Então, temos que

\[\int_a^b\theta(t)dB_t = \sum_{i=1}^n\xi_{i-1}\left(B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\right). \qquad (16)\]

Para $ f $ dada no teorema, definimos $ f_n(t) = \sum_{i=1}^mf(t_{i-1})\mathds{1}_{[t_{i-1},t_i)}(t) $ para uma partição $ \mathcal{P}_n $. Então a continuidade de $ f $ implica que

\[\int_a^b\left|f_n(t)-f(t)\right|^2dt \rightarrow 0\]

quase certamente e, então, em probabilidade, quando $ n\rightarrow\infty $. Utilizando a definição, temos que

\[\int_a^bf(t)dB_t = \lim_{\mathcal{P}_n}\int_a^bf_n(t)dB_t\]

em probabilidade. Podemos utilizar $ (16) $ com $ \theta = f_n $ e então

\[\int_a^bf_ndB_t = \sum_{i=1}^nf(t_{i-1})\left(B_{t_i}-B_{t_{i-1}}\right)\]

de onde concluímos o teorema.

 

Processo estocástico Associado e Martingale Local.

 

Seja $ f\in \mathcal{L}_{ad}(\Omega,L^2[a,b]) $. Então $ f\in \mathcal{L}_{ad}(\Omega,L^2[a,t]) $, para todo $ a\leq t\leq b $ temos então o processo estocástico associado dado por

$$X_t=\int_a^tf(s)dB(s), a\leq t\leq b.$$

$ X_t $ não tem necessariamente esperança finita e por isso não faz sentido dizer que $ X_t $ é um martingale. Para isso, necessitamos generalizar o conceito de martingale. Pois, desta forma seremos capaz de cobrir a situação em que $ X_t $ não tem esperança finita. Vamos usar o conceito de tempo de parada.
Note que

$$X_t=\int_a^tf(s)dB(s)=\int_a^b\mathds{1}_{[a,t]}f(s)dB(s), a\leq t\leq b.$$

no qual, $ \mathds{1}_{[a,t]}f(s)\in \mathcal{L}_{ad}(\Omega,L^2[a,b]) $ para qualquer $ a\leq t\leq b $
Para cada $ n $, definimos o processo estocástico $ f_n $

$$f_n(t,\omega)=\left\{\begin{array}{l}(t,\omega),\quad se\quad \int_{a}^t|f(s,\omega)|^2ds\leq n\\0, \text{ caso contrário }\\\end{array}\right.$$

Seja $ \tau_n $ um tempo de parada definido por

$$\tau_n(\omega)=\left\{\begin{array}{l}\inf\left\{\int_{a}^t|f(s,\omega)|^2ds\textgreater n\right\}, \quad se \quad \{t,\dots\}\neq \emptyset\\ b, \quad se \quad \{t,\dots\}= \emptyset\\\end{array}\right.$$

Temos que $ \tau_n $ é um tempo de parada para cada $ n $. Assim temos que

$$X_{t\wedge \tau_n}=\int_a^{t\wedge \tau_n}(s)f(s)dB(s)=\int_a^b\mathds{1}_{[a,t\wedge \tau_n]}(s)f(s)dB(s), a\leq t\leq b.$$

Observe que pela definição do tempo de parada $ \tau_n $ e da função $ f_n $ temos que

$$\mathds{1}_{[a,t\wedge \tau_n]}(s)f(s)=\mathds{1}_{[a,t]}(s)f_n(s)$$

para quase todo $ \omega $. Portanto,

$$X_{t\wedge \tau_n}=\int_a^{t\wedge \tau_n}(s)f(s)dB(s)=\int_a^tf_n(s)dB(s), a\leq t\leq b.$$

Então, temos que

$$\int_a^b\mathbb{E}(|f_n(t)|^2)dt\leq n$$

O que implica que $ f_n\in L^2_{ad}([a,b],\Omega) $. Mais isso implica que $ X_{t\wedge \tau_n} $ é um martingale para cada $ n $.
Temos que $ \tau_n $ é uma sequência monótona e crescente para $ b $ quando $ n\rightarrow \infty $. Com isso, vamos fazer a seguinte definição

Definição 10.2.3: (Martingale Local)

Seja $ X_t $ um processo $ \mathcal{F}_t $ adaptado, $ a\leq t\leq b $ é chamado de um martingale Local  com respeito a $ \mathcal{F}_t $ se existe uma sequência de tempos de parada $ \tau_n $, $ n\in \mathbb{N} $, tal que $ \tau_n $ é monotonamente crescente para b quase certamente quando $ n\rightarrow \infty $. E para cada $ n $ temos que $ X_{t\wedge\tau_n} $ é um martingale com respeito a $ \{\mathcal{F}_t;a\leq t\leq b\} $.

 

Claro que todo martingale é um martingale local, para isso basta tomar  $ \tau_n=b $ para todo $ n $. Entretanto, temos que nem todo martingale local é um martingale como o exemplo pudemos ver para o caso de

$$X_t=\int_a^tf(s)dB(s), a\leq t\leq b.$$

Desta forma, obtemos o seguinte teorema

 

Teorema 10.2.8:

Seja $ f\in \mathcal{L}_{ad}(\Omega,L^2[a,b]) $. Então, o processo estocástico

$$X_t=\int_a^tf(s)dB(s), a\leq t\leq b.$$

é um martingale local com respeito a filtragem $ \mathcal{F}_t $ gerada pelo movimento Browniano.

Exemplo 10.2.8:

Seja $ f(t)=e^{B(t)^2} $, sabemos que $ f\in \mathcal{L}_{ad}(\Omega,L^2[a,b]) $. Portanto, pelo teorema acima temos que

$$X_t=\int_a^tf(s)dB(s), a\leq t\leq b.$$

é um martingale local. Por outro lado considere o processo estocástico

$$Y_t=\int_0^t e^{B(s)^2}dB(s), 0\leq t\textless \frac{1}{4}.$$

é um martingale, pois

$$\mathbb{E}(|e^{B(s)^2}|^2)=\mathbb{E}(e^{2B(s)^2})=\frac{1}{\sqrt{1-4t}}, 0\leq t\textless 1/4$$

 

Lema 10.2.5:

Suponha que $ f\in L^2_{ad}([a,b]\times \Omega) $. Seja

$$C=\{\omega;f(t,\omega)=0, \forall t\in [a,b]\}$$

Então temos que

$$\int_a^bf(t)dB(t)=0$$

quase certamente em C.

Demonstração:

Defina

$$\tau(\omega)=\left\{\begin{array}{l}\inf\left\{t,f(s,\omega)\neq 0\right\}, \quad se \quad \{t,\dots\}\neq \emptyset\\ b, \quad se \quad \{t,\dots\}= \emptyset\\ \end{array}\right.$$

Então $ \tau $  é um tempo de parada, considere então a variável aleatória

$$Y(\tau)=\int_a^\tau f(s)dB(s)=\int_a^b \mathds{1}_{[a,\tau]}(s)f(s)dB(s).$$

Temos que $ \mathds{1}_{[a,\tau]}(s)f(s)\in L^2_{ad}([a,b]\times \Omega) $, o que mostra que a integral estocástica está bem definida. Além disso, para cada $ \omega $ temos que

$$\mathds{1}_{[a,\tau(\omega)]}(s)|f(s,\omega)|^2=\mathds{1}_{\{\tau(\omega)\}}(s)|f(\tau(\omega),\omega)|^2$$

Então temos que

$$\int_a^b \mathds{1}_{[a,\tau]}(t)|f(t)|^2dt=0$$

O que implica que

$$\mathbb{E}(|Y(\tau)|^2)=0$$

e $ Y(\tau)=0 $ quase certamente. Mas se $ \omega\in C $ então temos que $ \tau(\omega)=b $ e portanto temos que

$$Y(\tau(\omega))=\int_a^b f(s)dB(s)$$

O que mostra que $ \int_a^b f(s)dB(s)=0 $ para quase todo $ \omega\in A $.

Teorema 10.2.9:

Seja $ f\in \mathcal{L}_{ad}(\Omega,L^2[a,b]) $. Então o processo estocástico

$$X_t=\int_a^t f(s)dB(s),\quad a\leq t\leq b$$

tem realização contínua.

Demonstração:

Para cada $ n $, seja $ f_n $ um processo estocástico definida por 

$$f_n(t,\omega)=\left\{\begin{array}{l}f(t,\omega),\quad se\quad \int_{a}^t|f(s,\omega)|^2ds\leq n\\ 0, \text{ caso contrário }\\\end{array}\right.$$

e seja 

$$X_t^{(n)}=\int_a^t f_n(s)dB(s), \quad a\leq t \leq b. $$

Então pelo Teorema 10.2.6 é um processo estocástico contínuo. Seja

$$A_n=\{\omega, \int_a^b |f(t,\omega)|^2 dt \leq n\}$$

A sequência $ \{A\}_n $ é crescente. Seja $ A=\bigcup_{n=1}^{\infty} A_n $. Então $ \mathbb{P}(A)=1 $ desde que $ \int_a^b |f(t)|^2dt\textless \infty $ quase certamente. Note que se $ \omega\in A_n $, então

$$f_n(t,\omega)=f_m(t,\omega),\quad \forall m\geq n \quad e \quad \forall t\in [a,b]$$

Portanto, pelo Lemma acima temos que $ \forall n\in A_n $

$$X_t^{(m)}(\omega)=X_t^{(n)}(\omega), \forall m\geq n$$

e qualquer $ t\in [a,b] $. Desde que $ A=\bigcup_{n=1}^{\infty} A_n $, a igualdade acima implica que para todo $ \omega\in A $ o seguinte limite existe para todo $ t\in [a,b] $:

$$\lim_{m\rightarrow \infty}X_t^{(m)}(\omega)$$

Agora definimos o processo estocástico $ Y_t(\omega) $ por 

$$Y_t(\omega)=\left\{\begin{array}{l}\lim_{m\rightarrow \infty} X_t^{(m)}(\omega),\quad se\quad \omega \in A\\0, \text{ se } \omega \notin A.\\ \end{array}\right.$$

Então $ Y_t(\omega) $ é um processo estocástico contínuo. Por outro lado, da definição de integral estocástica dada pela equação acima da Observação 10.2.3 . Temos que 

$$X_t=\lim_{m\rightarrow \infty}X_t^{(m)}$$

em probabilidade. Portanto, para cada $ t\in [a,b] $, $ X_t=Y_t $ quase certamente. Portanto $ Y_t $ é uma realização contínua de $ X_t $.

Processo Estocástico

Sobre o Portal Action

O Portal Action é mantido pela Estatcamp - Consultoria Estatística e Qualidade, com o objetivo de disponibilizar uma ferramenta estatística em conjunto com uma fonte de informação útil aos profissionais interessados.

Facebook

CONTATO

  •  Maestro Joao Seppe, 900, São Carlos - SP | CEP 13561-180
  • Telefone: (16) 3376-2047
  • E-Mail: [email protected]